Principais diferenças entre o Espiritismo e a Umbanda

É bastante comum que muitas pessoas, ao não conhecer a história de cada disciplina espírita, acabe se confundindo constantemente quando o assunto é a doutrina espírita frente a umbanda, achando que são praticamente a mesma linha de pensamentos. No entanto, existem diferenças categóricas que são importantes citar.

Antes de elencar as diferenças entre cada uma das doutrinas, vamos começar com algumas particularidades que elas possuem em comum:

  • Ambas as doutrinas são espiritualistas;
  • Os fenômenos mediúnicos ocorrem frequentemente;
  • Deus é o centro das duas doutrinas;
  • A caridade é peça chave de todas as suas vidas.

Não queremos, em nossa obra, distanciar as doutrinas entre si: ambas são válidas e maravilhosas para a evolução do nosso espírito. No entanto, é importante considerar que cada ser humano é único, contendo particularidades e valores que podem ser mais bem encaixados de acordo com o seu tipo de visão.

Vamos começar?

Quais são as principais diferenças entre o Espiritismo e a Umbanda?

Para o seu entendimento ficar ainda mais claro, vamos separar as diferenças com números. Caso tenha alguma dúvida, é só nos contatar. Vamos lá!

Uma doutrina nasceu como uma religião de fato

religião

Graças a comunicação com o Caboclo das Sete Encruzilhadas, a umbanda acaba se consolidando como uma religião logo de começo. No espiritismo, tudo isso aconteceu de uma maneira diferente

O famoso e percursor da doutrina, Allan Kardec, quando questionado sobre o espiritismo ser ou não uma religião, ele explica detalhadamente que se trata de uma filosofia que desenvolve ideias de fraternidade. Logo, caso o espiritismo seja visto explicitamente como uma religião de fato, seu modus operandi acabaria semelhante a outras religiões parceiras, não sendo seu objetivo primário.

Uso constante de sinais místicos e elementos

cabeça flutuante

No espiritismo, existe um recuo quando o assunto é o misticismo em si: ele não aceita o efeito que essas práticas acabam fazendo tanto na parte física quanto na espiritual.

Kardec ainda salienta que seu posicionamento frente a práticas mágicas é de estrito oposto: amuletos e talismãs não exercem qualquer poder ou mudança explicita nas reações dentro das práticas espíritas.

Já entrando na umbanda, entendemos que existe uma relação mágica explicita entre os indivíduos de diferentes maneiras, tanto para o mal quanto para o bem. Logo, o papel desta religião também é de conscientizar o bom senso para seus respectivos usos e desenvolver uma prática que seja benéfica para todos, onde todos os guias presentes na Umbanda acabam por se manifestar sem nenhuma prática negativa ou de diferença fútil entre os seres.

Culto para Orixás e comunicação direta om espíritos

umbanda

Na umbanda, é comum que existam cultos para panteões de Orixás (divindades oriundas das regiões africanas). No caso da via espírita, o culto e manifestações não ocorrem desta maneira: em suas reuniões, o diálogo com espíritos “evoluídos” destaca a partir de suas contribuições na sociedade.

Ainda na parte espírita, não é costume realizar trabalhos com linhas de Preto-Velho, Caboclos e outras manifestações espirituais presentes dentro do ambiente da umbanda.

Os espíritos que são manifestados nos centros espíritas, quando acabam revelando seus respectivos nomes, eles acabam falando um pouco mais da colônia onde vivem.

Voltando a trabalhar com semelhanças, podemos citar a comunicação com espíritos e a grande linha de estudo de toda a filosofia que contribuiu, principalmente nos dias de hoje, a termos acesso a toda uma maneira diferenciada de enxergarmos o nosso mundo.

No final, venho novamente dizer que a umbanda NÃO é espiritismo. Ambas as linhas possuem seus fundamentos e doutrinas próprias.

Quer saber realmente como funciona cada linha de vivência? Não tem problema: procure uma casa mais próxima de onde você vive e tente sentir qual é a melhor maneira de seguir com o seu coração. Sem dúvida nenhuma, vai se rum investimento inegociável para a sua vida.

Dúvidas? Vá e descubra!

pesquisa

Muitas pessoas não se dão a oportunidade de conhecer novos estilos e maneiras de viver espiritualmente melhor, atendo-se somente às experiências que ocorrem ao seu redor.

Livros., filmes, pessoas, artigos (como esse). Existem diversas maneiras de você aprender mais sobre ambos os mundos. Porém, é difícil existir qualquer tipo de estudo que seja mais eficaz que o próprio sentimento.

Lembra das partes primárias deste artigo? Onde disse que cada ser humano é único e possui particularidades que pertencem somente a ele? Pois é! Nenhuma experiência é igual, mudando de acordo com a vista e sentimento de cada pessoa.

Você é um ser único e merece ser tradado como tal. Tente se permitir a conhecer os dois caminhos e, no final, escolha um deles para você se aprofundar e achar finalmente a sua espiritualidade. Para qualquer uma das suas escolhas ou dúvidas, o Caminho da Paz estará sempre aqui para te ajudar no que for preciso.